quinta-feira, 27 de julho de 2017

A POESIA BROTA DA RUÍNA

LA POESÍA BROTA DE LA RUINA


If every poetry were my fragment to you
Would do me your eternal poetry

Em português

“Todo coração é uma célula revolucionária”
Se toda poesia fosse um pedaço de mim para você
Faria de mim sua eterna poesia
Faria eu de poesia
Faria eu de lírios


En español

“Todo corazón es una célula revolucionaria”
Si toda poesía fuese un trozo mío a tú
Haría de mí su eterna poesía
Haría yo de poesía
Haría yo de lirios


 Rubem Leite é escritor, poeta e crontista. Escreve ao Ad Substantiam semanalmente às quintas-feiras; e todo domingo no seu blog literário: aRTISTA aRTEIRO.  É professor de Português, Literatura, Espanhol e Artes. É graduado em Letras-Português. É pós-graduado em “Metodologias do Ensino da Língua Portuguesa e Literatura na Educação Básica”, “Ensino de Língua Espanhola”, “Ensino de Artes” e “Cultura e Literatura”; autor dos artigos científicos “Machado de Assis e o Discurso Presente em Suas Obras”, “Brasil e Sua Literatura no Mundo – Literatura Brasileira em Países de Língua Espanhola, Como é Vista?”, “Amadurecimento da Criação – A Arte da Inspiração do Artista” e “Leitura de Cultura da Cultura de Leitura”. É, por segunda gestão, Secretário da ASSABI – Associação de Amigos da Biblioteca Pública Zumbi dos Palmares (Ipatinga MG). Foi, por duas gestões, Conselheiro Municipal de Cultura em Ipatinga MG (representando a Literatura).


Manuscrito não sei quando, mas encontrando entre minhas bagunças na tarde de 15 de julho de 2017. E trabalhado entre os dias 20 e 27 de julho deste mesmo ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário