quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

VEREDAS


Em português

O pombo estufa o peito
E gira ao redor da pomba.
A pomba come os restos humanos
Ao redor do pombo.
O pombo continua seu giro
Que jura ser encantador
Mas sequer alucinogena a pomba.
A pomba continua comendo
Os restos humanos...
... E do pombo.
Todavia, eu
“Abracei Diadorim, como as asas de todos os pássaros”¹.


En español

El palomo infla el pecho
Y gira alrededor de la paloma.
La paloma come los restos humanos
Alrededor del palomo.
El palomo continúa su giro
Creyéndose encantador.
Sin embargo, no alucina la paloma.
La paloma continúa comiendo
Los restos humanos…
… Y del palomo.
Mientras yo
“Abracé Diadorín, como las alas de todos los pájaros”¹.


 Rubem Leite é escritor, poeta e crontista. Escreve ao Ad Substantiam semanalmente às quintas-feiras; e todo domingo no seu blog literário: aRTISTA aRTEIRO.  É professor de Português, Literatura e Artes. É graduado em Letras Português; tem quatro pós-graduações e é Mestrando em Educação pela Universidad Europea del Atlántico. Foi, por duas gestões, Conselheiro Municipal de Cultura em Ipatinga MG (representando a Literatura) e atualmente é Secretário do Clesi (Clube de Escritores de Ipatinga).

¹ Riobaldo, personagem de “Grande Sertão: Veredas”, João Guimarães Rosas. Traducción libre para español.


Escrito em português no início da tarde de 19 de fevereiro de 2017. Trabalhado nas duas línguas no fim da manhã de 23 do mesmo mês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário